Ampliação da Escola Internacional

“O caso da Escola Internacional de Curitiba, realizado em 2015, apresenta um aspecto importante da metodologia da cwbim: o detalhamento de um projeto ao nível de construção, ou seja, planejar um projeto com todos os elementos necessários para levar à obra e evitar decisões no canteiro, que frequentemente acarretam retrabalho e perda de eficiência.

O escopo deste caso consistia em montar uma fachada de material ACM (placa de alumínio composto), que revestia todo o entorno do ginásio de esportes da Escola. O ACM é um material muito peculiar e tem custo alto e prazo de fornecimento extenso. O prazo, por ser um material importado da China, é de cerca de 120 dias para chegar ao Brasil. Sendo assim, é um item crítico na fase de planejamento e requer cuidado na hora da decisão de compra.

De acordo com as construtoras, o problema comum na hora da compra de ACM é a compra em excesso, gerando um gasto elevado e, ao fim, uma sobra que depois não seria utilizada.Por outro lado, se o material é comprado em menor quantidade, obriga a construtora a fazer mais um pedido, que levaria mais 120 dias. Esse desgaste poderia ser maior caso a tonalidade da placa fosse diferente, o que resultaria em mandar novamente para o fornecedor e solicitar a cor certa.

Neste projeto, a cwbim fez um levantamento baseado na elevação do projeto, o que resultou em uma necessidade de cerca de 1.600m² de ACM. Porém, quando a construtora foi comprar o material, a equipe de obras salientou que seria importante 2.200m² devido ao grande número de perdas que poderia ocorrer na hora de inserir as placas na fachada (cerca de 30%).

Para tentar conseguir o número mais próximo da primeira contagem realizada no projeto, a construtora solicitou que o instalador de ACM explicasse como é a execução da preparação e instalação da placa; desde o manuseio até o encaixe do material. Utilizando o conhecimento apresentado, a equipe da cwbim ajustou o projeto com todas os detalhes necessários, com o objetivo de ter a menor perda possível. Para atingir esse objetivo, a cwbim escolheu o software Graphisoft Archicad, devido a sua flexibilidade e capacidade de classificação dos elementos geométricos. Visto que o ACM não é um elemento padrão dentro de qualquer software BIM, o uso dessa plataforma se mostrou adequado e a partir da modelagem de elementos primitivos, foi possível uma extração exata e precisa do revestimento.

Ao finalizar, a quantidade necessária passou a ser 1.800m², ou seja, 200m² a mais do primeiro levantamento realizado e 400m² a menos do que foi proposto comprar. Neste orçamento já está incluso a perda de 8% do material, o que é normal em qualquer obra.

O grande desafio foi o de passar confiança neste número dentro da obra. Por segurança, o construtor do empreendimento solicitou que fossem compradas 10 placas a mais (totalizando 75m²).

Ao final da construção, o resultado foi satisfatório: o projeto realizado pela cwbim estava com a contagem de ACM correta, sobrando as 10 placas compradas a mais. A precisão foi satisfatória, não gerou desperdício de material e também evitou atrasos ou novos pedidos de ACM. A obra foi entregue no prazo estipulado.

De acordo com a cwbim, o trabalho da empresa é analisar o que é crítico na obra e quais as partes que faltam para ter uma melhor “construtibilidade”. “Nós identificamos os pontos chaves da obra e estes foram desenvolvidos em um nível de detalhes construtivos, ou LOD 400. Neste caso em especial, como era uma escola e o cliente final não tinha tanto tanta familiaridade com construção, havia certa dificuldade na comunicação entre cliente-construtora e, como nosso projeto foi assertivo, o modelo conseguiu simplificar esse diálogo”, revelam.

Deixe um Comentário